Reflexão - O Filho Pródigo nos Dias de Hoje...


A busca de Deus pelos pecadores foi muito bem retratada na parábola do filho perdido. O rapaz ingrato foi para longe de seu lar.
Mas antes pediu ao pai a herança que, segundo sua mente egoísta, lhe pertencia por direito, e o pai deu o que ele queria. 

Com todo o dinheiro recebido, o novo rico foi com seu desamor e sua soberba a uma província distante. Ali, durante um tempo, se relacionou com amigos libertinos e viveu alucinado com o prazer do pecado. 


Mas essa conduta foi consumindo seu dinheiro, até que o perdeu completamente. Quando isso aconteceu, perdeu também os amigos, e começou a procurar trabalho, pelo menos para comprar comida. 


Não foi fácil para o rapaz encontrar trabalho. Por fim, aceitou a indesejada tarefa de cuidar de porcos num chiqueiro. E ali não conseguia sequer alimentar-se com a comida dos porcos. 


Sozinho, angustiado e faminto, sentiu-se indigno e miserável. Então, em tal condição de carência total, o jovem “caiu em si”, e pensou: 

“Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome! 

Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados” (Lucas 15:17-19)


E assim, com humildade, sem pretensões, e reconhecendo seu erro de filho rebelde, o rapaz abandonou o chiqueiro sujo e iniciou a viagem de volta ao seu lar. 


Não levava consigo mais que farrapos e vergonha. Sua culpa o afligia, mas seu genuíno arrependimento lhe dava esperança de ser perdoado. 


Difícil e lenta foi essa viagem de regresso. As incógnitas estavam em sua mente: “Papai me perdoará? Ele me aceitará de novo em casa? E se não me receber?”


Mas o pai conservava um amor afetuoso por seu filho, e, quando o avistou à distância, foi correndo em sua direção, o abraçou e o beijou. 


Um encontro comovente! O filho foi totalmente perdoado, e foi organizada uma grande festa de boas-vindas e reconciliação. O pai exclamou com júbilo: “Este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado”(Lucas 15:11-24).


Essa história é um esboço do maravilhoso amor de Deus em favor de Seus filhos. Não importa quanto nos rebelemos contra Deus, nem quão libertina tenha sido nossa conduta, o Pai continua nos amando e oferecendo Seu perdão. 


Não há limite para o generoso amor de Deus. Ele nos ama ainda que não O amemos; perdoa-nos ainda que não o mereçamos; chama-nos mesmo que não respondamos; quer nos transformar ainda que não o peçamos; deseja nos salvar mesmo que não valorizemos o custo infinito de nossa salvação. 


O amor do Pai para conosco é profundo e abnegado. Ele Se deleita quando estamos com Ele e modela nosso caráter para continuar estando ao Seu lado pela eternidade. 


Quando você crer que lhe falta o amor dos demais, lembre-se de que Deus continua amando você ternamente. 


Como o pai recebeu com tanto carinho seu filho pródigo, assim nosso Pai celestial abre Seus braços para nos envolver com Seu amor inefável.


Mas isso não é tudo. Há muito mais para ver e pensar. A história continua...



Gostou? Aproveita e compartilha essa postagem no Google+, Facebook, etc. Se foi bom para você, talvez possa ser bom para mais pessoas...




Share Button



MAIS SUGESTÕES PARA VOCÊ